Você provavelmente já sabe o que é um estúdio de vídeo com chroma-key, usado para substituir imagens digitalmente – em “janelas” específicas, como na foto acima, ou em todo o cenário, quando todo o estúdio é colorido.

E sabe que há algumas vantagens contundentes pelo uso dessa técnica, como a facilidade de produção ao se trabalhar em um ambiente controlado e a “mágica” que poderá ser feita na pós-produção. Sem contar que vale a pena alugar um estúdio de vídeo. Mas você sabe como funciona o chroma-key? Veja este post e se torne um expert agora mesmo:

 

O funcionamento dos algorítimos de recorte

Nas gravações em fundo chroma-key, é preciso sempre usar uma das cores primárias do sistema RGB, ou seja, vermelho, verde ou azul. Isso acontece porque os algoritmos utilizados pelos softwares na pós-produção funcionam melhor com uma das 3 cores básicas. É assim que os softwares foram feitos e você precisa trabalhar sempre com essa informação em mente. A partir daí, vai precisar decidir qual das 3 será mais adequada para o seu projeto.

 

O chroma-key verde

Sabia que o chroma-key verde é o mais utilizado dos três? Isso acontece simplesmente porque há menos acessórios e objetos verdes, de modo que em geral os objetos gravados em chroma-key verde dificilmente irão se misturar com o fundo.

Essa é de longe a cor mais utilizada na produção das cenas fantásticas que costumamos assistir nos filmes de ficção científica, fantasia e ação. O chroma-key verde é também o queridinho de muitos diretores de cinema, porque a tonalidade tem uma grande capacidade de absorção do brilho extra, ajudando a controlar a luminosidade e facilitando o processo de pós-produção.

 

O chroma-key azul

Essa já foi a cor mais escolhida nas produções de vídeos institucionais e de baixo orçamento, por um detalhe no percurso. Até há pouco tempo, as câmeras utilizadas amplamente no mercado empresarial e televisivo possuíam uma limitação de hardware e não captavam bem o verde. Essa limitação foi superada pelos fabricantes e hoje em dia o verde passou a ser o padrão também nestas produções. A versão azul, é claro, continua indicada para as situações em que a cena possui algum item verde.

Por outro lado, para estúdios menores (digamos, de menos de 8 metros de profundidade), frequentemente o fundo azul ainda continua indicado, por uma outra razão. Acontece que, em estúdios menores, frequentemente a cor do fundo irá refletir de maneira significativa no objeto de cena, gerando uma espécie de contra-luz colorida, chamada spill. É claro que, em linhas gerais, um spill azul é bem mais aceitável do que um spill verde, então o fundo azul ainda é usado em estúdios caseiros ou de baixo orçamento.

 

O chroma-key vermelho

O chroma-key vermelho segue a mesma lógica das outras cores: o fundo deve ter uma cor diferente do objeto em primeiro plano. E aqui é fácil entender por que praticamente o fundo vermelho não é usado.

Ora, como a pele humana inevitavelmente contém tons avermelhados — especialmente pessoas de pele clara —, esse chroma-key acaba se misturando com o mais comum alvo das nossas câmeras: as pessoas.

 

Um olho na gravação, outro na pós-produção!

Por último, é interessante se lembrar de que a intenção de se gravar em chroma-key é justamente substituir o fundo por alguma outra imagem. Ora, se você quiser inserir a imagem de uma floresta, por exemplo, pense seriamente em usar o chroma-key verde, pois a ambiência do estúdio e o spill poderão ser usados a seu favor. Da mesma forma, se você quiser inserir imagens do céu e do mar, o chroma key azul poderá ser a melhor pedida. Simples, não? E também não se esquecer do sistema de iluminação que irá usar na cenal final, para reproduzi-la no estúdio.

 

fonte: matildefilmes